Biopolímero de algas marinhas

Atuar no aumento  dos mecanismos de proteção e reconstituição da pele, estimulando a proteção de queratinócitos contra as agressões ambientais, tais como, radiação UV e o estresse oxidativo, além de induzir a formação de fibroblastos e a produção de colágeno, o que acelera a regeneração da pele danificada, tendo efeito anti-inflamatório e cicatrizante. Esses são os princípios efeitos dos biopolímeros de algas marinhas, um dermoativo com bastante resultados no rejuvenescimento da pele. Vamos entender aqui um pouco mais sobre seus usos e indicações.

Imunologia da pele

A pele humana atua como interface entre o corpo e o ambiente, e é, por isso, considerada como sendo nosso maior órgão imunocompetente. Por outro lado, a pele humana sobre importantes alterações ao longo da vida, através de fenômenos superpostos, ligados ao envelhecimento cronológico e ao fotoenvelhecimento, que comprometem o número e as funções biológicas das células imunocompetentes, resultante no declínio nos mecanismos de autoproteção e de auto reparação da pele.

O sistema de defesa específico da pele envolve a ação de células imunocompetentes, tais como as Células de Langherhans (LCs), bem como um grande número de citocinas por elas produzido, formando uma complexa cascata de eventos bioquímicos.


Importante: Estudo realizado em células de fibroblastos humanos
irradiados com radiação UVA demonstrou a atividade do Biopolímero de algas marinhas na preservação/manutenção dos teores de colágeno.

A pele e o sistema imunológico

As Células de Langherhans (LCs) desempenham um papel fundamental nas reações imuno da pele, com atividade análoga à dos macrófagos presentes em outros locais do corpo humano. Essas células especiais apresentam uma estrutura complexa com extensões – chamados dendritos – que se estendem até a superfície da epiderme. Presume-se que a função destes dendritos seja a captura de antígenos e sua apresentação aos linfócitos, iniciando assim uma cascata de eventos de resposta imuno.

Os queratinócitos (KCs) controlam a formação do envelope córneo das células, produzindo ainda os lipídeos encontrados no stratum comeum sendo, por isso, células fundamentais ao desenvolvimento da função barreira da pele. Os KCs também são capazes de produzir diversas citocinas envolvidas na regulação da resposta imuno e em reações inflamatórias, como por exemplo, a Interleucina-1 (IL-I) e Fatores de Necrose tumoral (TNF).

Imunologia e envelhecimento cutâneo

A pele humana sofre diversas mudanças durante o curso da vida.

O envelhecimento cronológico ou intrínseco e o foto-envelhecimento superpõem-se ao longo do tempo, e são responsáveis pelo declínio dos mecanismos de autoproteção e de autorreparação da pele.

Tanto o envelhecimento cronológico quanto o foto-envelhecimento levam a uma grande redução da população de LCs e KCs.

O uso de ativos capazes de melhorar a capacidade de defesa imunológica da pO uso de ativos capazes de melhorar a capacidade de defesa imunológica da pele, bem como de estimular sua habilidade natural de autorreparação e autoproteção representa uma alternativa importante para formuladores envolvidos no desenvolvimento de produtos modernos de alta-performance.

O estudo dos fenômenos imunológicos ligados à saúde e à aparência da pele e dos cabelos, bem como o estudo de ingredientes que aumentem a capacidade imunodefensiva da pele e sua habilidade natural de autorreparação e proteção são hoje tratados como um novo ramo da cosmetologia, chamado de imunocosmetologia, e representam uma alternativa importante para químicos cosméticos interessados em formular produtos modernos para o cuidado da pele.

O Óxido Nítrico e o Sistema Imunológico

O óxido nítrico (NO) é um poderoso sinalizador da atividade imuno de células, além de desempenhar um grande número de funções biológicas impor

O óxido nítrico (NO) é um poderoso sinalizador da atividade imuno de células, além de desempenhar muitas funções biológicas importantes.

As células, uma vez estimuladas por citocinas, liberam NO, que atua como intermediário-chave em diversos eventos da cascata imuno.

Assim, ao dosar a quantidade de NO liberado pela superfície de células estimuladas por diferentes ingredientes, podemos avaliar a sua atividade imunocompetente.

Conforme se vê no gráfico, QUIDGEL BRM.Cf é um imunoestimulante mais eficiente do que Echinacea e Ginseng.

Proteção contra o estresse ambiental

Uma das consequências diretas da radiação UV sobre a pele é o dano aos queratinócitos. A diminuição na população e na atividade dos KCs causa uma redução na taxa de renovação das células, levando a diminuição na espessura da pele e danificando sua função barreira.

Uma população de KCs equilibrada significa, em última análise, uma pele mais saudável. Um estudo de exposição de queratinócitos à radiação UV (15 mJ/cm2) demonstrou que os biopolímeros de algas marinhas são capazes de reequilibrar a população de queratinócitos deprimida pela radiação UV.

Proteção celular

Além do fotoenvelhecimento, a exposição da pele a outros fatores de stress ambiental, tais como oxidantes atmosféricos e poluição do ar também causa importante decaimento na população e na funcionalidade das células da pele.

Os Biopolímeros de algas marinhas foram testado, juntamente com beta-glucanas, beta-glucanas carboximetiladas e polissacarídeos de Gingseng na proteção de queratinócitos em ambiente oxidante contendo ozônio (23 ppm).

Proteção celular sob estresse ambiental

Ativação de fibroblastos

A pele ao ser ferida ou agredida também dispara a cascata imuno, sinalizando aos macrófagos para que deem início ao processo de limpeza e eliminação de restos celulares e de material estranho. Os macrófagos ativados também liberam diversas citocinas que estimulam o processo de cicatrização.

Os fibroblastos são assim recrutados para produzir nova fibras de colágeno e dos demais componentes da matriz extra celular, bem como fatores de reconstrução, tais como fatores de crescimento epidermal e fatores angiogenéticos.

Na pele idosa e/ou imunodeprimida, as populações de macrófagos e fibroblastos encontram-se deprimidas, prejudicando o processo de cicatrização.

O estímulo ao aumento da população de fibroblastos pode não só ajudar nos processos de cicatrização, mas também seria de grande valia no tratamento e no recondicionamento da pele idosa.

Um estudo para verificar a capacidade de estimular o aumento da população de fibroblastos demonstrou que os biopolímeros de algas marinhas aceleram a regeneração da pele danificada, estimulando a produção de colágeno e recuperando a pele envelhecida.

Reequilíbrio dos teores de colágeno da pele fotoagredida

Durante o processo de envelhecimento ocorrem diversas alterações fisiológicas complexas que contribuem para as mudanças observadas na pele. Muitas destas alterações são causadas por agentes exógenos, tais como radiação UV ou oxidantes ambientais (poluição, smog).

A radiação UVA, por exemplo, atinge as camadas mais profundas da pele, alterando a atividade da derme e ativando as enzimas proteolíticas que fazem parte do complexo extracelular da matriz e da junção epidérmica.

Essas enzimas são denominadas metaloproteinases (MMPs) e são responsáveis pela degradação das principais proteínas da derme – o colágeno e a elastina.

As MMPs são consideradas pró-enzimas, que precisam ser ativadas para iniciar sua ação, desencadeando o processo de hidrólise.

O controle e o equilíbrio entre as atividades de síntese e hidrólise das proteínas é conseguido através da ação combinada das metaloproteinases e dos seus inibidores, chamados TIMPs.

A produção destes inibidores diminui com o avanço da idade durante o processo de envelhecimento cronológico, ou é inibida através de agentes exógenos.

Este equilíbrio entre as MMPs e TIMPs pode ser rompido quando estas células são submetidas à radiação UV, sofrem algum tipo de desequilíbrio hormonal, inflamação local e ao longo do processo de envelhecimento natural. Esta mudança na matriz extracelular afeta a síntese de colágeno, o aumento da atividade da MMPs e a redução da expressão dos TIMPs. A combinação destes eventos causa a degradação das macromoléculas que compõe a matriz extracelular e acelera os efeitos do envelhecimento da pele.

Assim, o reequilíbrio dos teores de colágeno da pele fotoagredida representa uma atividade importante em produtos cosméticos destinados ao tratamento da pele madura.

Um estudo realizado em células de fibroblastos humanos irradiados com radiação UVA demonstrou a atividade dos biopolímeros de algas marinhas na preservação/manutenção dos teores de colágeno.

Ação cicatrizante e regeneradora

A ação cicatrizante do biopolímero de algas marinhas foi demonstrada através de um estudo clínico em pacientes submetidos a cirurgias de implante de cabelos, onde se avaliou a ação cicatrizantes princípio ativo na redução no tempo de duração das crostas pós-operatórias, formadas pela combinação de sangue coagulado e sérum.

A duração dessas crostas pós-operatórias cria um sério problema estético, retardando a volta dos pacientes à vida normal, embora estejam clinicamente aptos ao desenvolvimento da maioria das suas atividades diárias. A remoção destas crostas, além de solucionar o problema dos pacientes que receberam implantes de cabelos, comprova o poder cicatrizantes e regenerador dos biopolímeros de algas marinhas.

No estudo multicêntrico duplo cego randomizado, um grupo de pacientes (grupo 1) foi tratado com uma fórmula de shampoo contendo ácido salicílico, alantoína, clorhexidine e aloe vera (fórmula 1).

Outro grupo (grupo 2) foi tratado com uma fórmula de shampoo contendo ácido salicílico, alantoína, clorhexidine, aloe vera e biopolímeros de algas marinhas (fórmula 2).

Ambos os grupos lavaram os cabelos 24h após a cirurgia na clínica e depois seguiram lavando os cabelos com as fórmulas-teste por duas vezes ao dia durante os primeiros quinze dias, passando em seguida para lavagens uma vez por dia.

O grupo de pacientes tratados com a fórmula nº 1 (grupo 1) apresentou média de idade de 41,71 +/- 9,53, enquanto que o grupo de paciente tratados com a fórmula nº 2 (grupo apresentou média de idade de 33,91 +/- 13. O grupo 1 recebeu 1.606,6 +/- 957,19 enxertos.

O tempo decorrido até o início da queda das crostas foi comparado para os dois grupos pode ser observado no gráfico a seguir.

Os Biopolímeros especiais de algas marinhas dessa forma, constituem um grupo de ativos especiais, gerados através de biotecnologia sobre espécies naturais coletadas em condições de sustentabilidade. Sua pluralidade de atividades o torna um ativo de fato INOVADOR para o benefício supremo da pele em tratamentos de estética intima, skincare e tratamentos corporais variados.

Dermocosméticos com esse super ativo:

Sensitive Refreshing Gel Mask

Máscara em aquagel, de uso facial/corporal, que traz uma nova fórmula que oferece múltiplas possibilidades em procedimentos sensibilizantes. Ela contém um blend de 13 ativos cuidadosamente pesquisados e associados, que oferecem uma sinergia inédita em ação calmante, cicatrizante, anti-inflamatória, imunoestimulante, rejuvenescedora, regeneradora celular e descongestionante. Essa rica associação possibilita aumentar os mecanismos de autoproteção e reequilibrar os queratinócitos danificados pela radiação UV.

Possui maior porcentagem dos ativos calmantes registrada no mercado nacional em uma única fórmula, o que permite ampliar os benefícios clínicos e propiciar resultados mais rápidos e potentes. Também pode ser utilizado com LEDs, laser de baixa potência, ionização ou eletroporação, enriquecendo ainda mais seus tratamentos clínicos.

Benefícios:

• Calmante e cicatrizante;
• Imonuestimulante;
• Redução do eritema de forma imediata e efetiva;
• Regeneração celular;
• Efeito liffting com aumento do tônus e elasticidade da pele;
• Alta ação revitalizante e reestruturante celular;
• Eficácia no tratamento de peles com rosáceas, telangiectasias e couperose.

Turmalina Peel Complex

Peeling em sérum formulado para uso associativo em terapias fotodinâmicas com leds e laser de baixa potência. Tem a propriedade de converter os raios solares do espectro ultravioleta em energia para o auxílio no clareamento e rejuvenescimento de mãos e braços (ressurfacing tecnológico). A presença de cromóforos fotoestimulados possibilita uma atuação otimizada nos comprimentos de onda 470nm a 830nm (led azul, vermelho e infravermelho), potencializando a formulação química do produto em tratamentos estéticos de hiperpigmentações e rejuvenescimento. É um peeling ácido fotobiomodulado. Simula a ação de um laser por meio do seu uso tópico.

Em breve, novos lançamentos MAF 2.0 + Adélia Mendonça com esse ativo de efeito com resultados bastante eficazes. Lançamento oficial previsto para 22 de junho de 2020.