Mecanismos do envelhecimento cutâneo: desvendando os mistérios

No âmbito da Skin Biology Network da região francesa Auvergne-Rhône-Alpes, iniciada em 2016 pelo Centro Europeu de Dermocosmetologia (CED) e a divisão de Competitividade em Saúde Lyonbiopôle, a segunda edição da jornada temática Envelhecimento cutâneo reuniu 130 pessoas no dia 25 de setembro na cidade francesa de Lyon. O evento foi uma ocasião para traçar um panorama da expertise, das tecnologias e dos projetos colaborativo sem biologia cutânea desenvolvidos por organismos públicos e empresas privadas.

Abrindo a jornada de debates,Marie-Thérèse Lecci, do Centro Hospitalar Universitário (CHU) de Grenoble,passou em revista os aspectos clínicos: “Dois fatores principais influenciam o envelhecimento cutâneo. O primeiro, intrínseco, é ligado ao relógio biológico; o segundo, extrínseco,depende de variáveis como exposição ao sol, tabagismo, poluição, alimentação,uso de medicamentos, etc.” É longa a lista de elementos que podem influenciar o envelhecimento — e as mudanças de hábitos de vida completam o cenário. Estudos recentemente realizados pela empresa Gattefossé revelaram que o estresse luminoso de corrente do uso de telas diminui o metabolismo celular, além decausar danos significativos às moléculas de ATP.

DE OLHO NO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

O envelhecimento cutâneo pode ser observado por meio de “análises ômicas“, que ajudam a compreender os mecanismos fisiológicos e a identificação dos biomarcadores pertinentes. Mathieu Hebert, do Laboratório Hubert Curien, explica que,graças à técnica de aquisição de imagem helicoidal não invasiva e sem contato,é possível visualizar a junção dermo epidérmica. “Trabalhamos também na modelização de um rosto médio, a fim de caracterizar os fenômenos de ptose a partir de imageamento espectral e hiper espectral“, ressalta.

Por sua vez, o CEA, rede de laboratórios de pesquisa aplicada, utiliza espectroscopia de reflectância difusa para avaliar a luminosidade da pele ou distúrbios como a rosácea, po rexemplo.

Catherine Bosser, do LTDS (Laboratório de Tribologia e Dinâmica de Sistemas), vinculado à École Central de Lyon,apresentou o índice SILT (SkinIndex of Living Tissue), baseado no cálculo do coeficiente elastina/colágeno. O procedimento foi alvo de um pedido de registro de patente.

TRATAMENTOS PARA O ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

Graças aos progressos científicos, é possível oferecer tratamentos cosméticos com o objetivo de combater o envelhecimento. Mais numerosos e diversificados, esses tratamentos se apoiam embases científicas cada vez mais sólidas. Os protagonistas do setor não hesitam em investir em avançados programas de pesquisas, a fim de desenvolver o produto mais adequado. A BASF, por exemplo, colaborou com o LBTI (Laboratório de Biologia Tissular e Engenharia Terapêutica) de Lyon no âmbito de pesquisas que buscam soluções para conservara elasticidade da pele. Já a Gattefossé trabalhou com o CEA deGrenoble, investigando a geno toxicidade dos raios UVA.

Com a crescente valorização do ideal de envelhecer bem, e diante da importância que vem sendo dada ao bem-estar, em oposição ao culto da aparência, vale refletir se é realmente necessário oferecer às consumidoras soluções cada vez mais inovadoras para lutar contra o envelhecimento cutâneo. Segundo estudo desenvolvido pelo Laboratório Interuniversitário de Psicologia da Universidade deGrenoble Alpes e apresentado por Anna Tcherkassof, “em um grupo de 115 mulheres com idade média de 49 anos, dois terços declararam estar satisfeitas com seu rosto, mas um terço demonstrou insatisfação. Essas mulheres reconhecem que um rosto parece ser mais atraente quando é percebido como mais jovem“.

Razão mais que suficiente para continuar pesquisando o envelhecimento cutâneo.

Anne Charpentier, Régine Frick (Tradução:Maria Marques)

Fonte: Brazil Beauty News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *